Memoria Imaterial CRL
Instituto de Estudos de Literatura e Tradição - patrimónios, artes e culturas

M E M O R I A M E D I A

e-Museu do Património Cultural Imaterial

Entrar para a Banda

  • Nome: Armindo Martins Santana

  • Ano de nascimento: 1956

  • Residência: Portalegre (freguesia da Sé)

  • Actividade profissional: Funcionário dos CTT

  • Função na Sociedade Musical Euterpe: Anterior maestro e músico

  • Entrevista: 2010/2/10_ Portalegre_Sede da Sociedade Musical

"Portanto, eu morava em Alegrete (de onde sou natural), aprendi a música na Sociedade Musical Alegretense.

Entretanto, por contactos com alguém da minha terra, na altura recrutavam miúdos para entregadores de telegramas para os Correios – foi para onde eu vim aos quinze anos. Portanto, em Junho de 71 (Junho, Julho – depois comecei a trabalhar a Julho, mas vim em Junho). Fui contactado se estava interessado em vir para os Correios. Ora, claro que estava, não é? E vim. Portanto, em Julho, comecei a trabalhar nos Correios, nos telegramas.

Depois, como tinha aprendido a música, era aprendiz, portanto, com dois, três anos. Comecei lá em Alegrete aos doze, portanto, vim para aqui aos quinze – tinha três anos de aprendiz. Alguém soube que eu que era músico e, nessa altura, aqui a Sociedade tinha muito poucachinha gente. Era regida, nessa altura, pelo Sr. Casaca, um velhote já assim um bocado surdo e mais não sei quê, mas pronto ainda era com boa vontade... E a banda, nessa altura, tinha catorze, quinze músicos, não tinha mais. E a sede estava aos ratos praticamente. Funcionava só com os ensaios da banda numa sala pequenina (que agora já não existe nas novas instalações que são da Câmara), uma sala muito diminuta, mas chegava para a banda que existia. E funcionava nos salões "vips" da banda (que, nessa altura, não eram "vips"), funcionava uns leilões de móveis – que esse senhor, com a boa vontade dele ou pagando, quase que pagava a renda, não é? Porque tinha lá os móveis e fazia os leilões dos móveis, acabava, se calhar, por pagar a renda à Sociedade.

Então, isso entre Julho (que eu comecei a trabalhar nos Correios) e depois que vim morar para a cidade. O Sr. Casaca morava perto (ou morava já na zona para onde eu depois fui morar mais os meus pais). Como tinham conhecimento que eu era músico, e então a Sociedade tinha poucos, contactaram-me, olhe e vim para a Banda Euterpe. Felizmente, com muito gosto."

 

 

 

DESCARREGAR O LIVRO

PCI Livro

PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL
MEMORIAMEDIA e-Museu - métodos, técnicas e práticas

+ MEMORIAMEDIA

 

 

Entidades financiadoras do projecto Identidades Portalegre