Memoria Imaterial CRL
Instituto de Estudos de Literatura e Tradição - patrimónios, artes e culturas

M E M O R I A M E D I A

e-Museu do Património Cultural Imaterial

Dados de inventário
  • O ser poeta é um destino
  • Poetas Populares de Grândola - Vídeo Poesia Popular.

    “O ser poeta é um destino”-  O poeta nasce poeta e, por isso, o analfabeto pode sê-lo, mas se for alfabetizado será ainda um melhor poeta.

    Luís Ricardo; Ano de nascimento: 1923; Concelho de Grândola.

    Registo 2007.

Transcrição
  • O ser poeta é um destino

    O ser poeta é um destino

    Deus nos dá ao nascer.

    Mas analfabeto faz diferença

    do poeta que sabe ler.

     

    Quem sabe faz por escrita.

    E apontar pra(1) na’(2) se esquecer.

    E ainda vai ao livro ver

    se a palavra está bem dita.

    E quem não sabe só palpita.

    Põe as palavras *a tino*(3).

    Mas começa logo em pequenino

    a andar à roda dos cantores.

    Prà’qui não há professores.

    O ser poeta é um destino.

     

    Quem nasce com este brasão(4)

    e que traga a ideia pura,

    sem ter nenhuma cultura,

    é uma pessoa de habilitação.

    Colocar as palavras como elas são

    pra toda a gente perceber.

    Quem nasce com este prazer

    faz cantigas em qualquer mote(5).

    Porque isto é um dote(6)

    que Deus nos dá ao nascer.

     

    Aquilo que diz fica dito,

    esteja bem ou esteja mal.

    Mas aqui o principal

    é ser exacto ao que está escrito.

    Isto é um dote muito bonito

    que a gente traz à nascença.

    Quem o traz toda a vida pensa,

    ora de noite, ora de dia.

    Mas no fazer da poesia

    o analfabeto faz diferença.

     

     

    Nunca traz nada apontado,

    porque ele na’ sabe apontar(7).

    Também não pode justificar

    se está certo ou está errado.

    Nunca é um poeta apurado(8).

    Não pode mesmo ser.

    Mas tem é que se defender

    quando alguém o atacar.

    Mas na’ se pode comparar

    com um poeta que sabe ler.

     

    Luís Ricardo, Grândola, Fevereiro de 2007

    Glossário:

     

    (1) Pra: abreviatura oral de “para a”.

    (2) Na’: abreviatura oral de “não”.

    (3) A tino: a olho; por estimativa.

    (4) Brasão: em sentido figurado significa glória, honra, capacidade.

    (5) Mote: estrofe cujo sentido serve de tema ao poema; tema; assunto.

    (6) Dote: dom natural, qualidade intelectual.

    (7) Apontar: escrever, tomar apontamentos.

    (8) Apurado: perfeito, sofisticado, requintado.

    Para a execução deste glossário consultaram-se os seguintes websites:http://www.ciberduvidas.com;

    http://aulete.uol.com.br; http://www.infopedia.pt; http://www.priberam.pt

     

     

     

     

     

Caracterização
  • Décimas.

    Quadra (mote) seguida de uma glosa em 4 décimas (em redondilha maior).

    Classificação: Proposta por Paulo Correia (CEAO/ Universidade do Algarve) em Julho de 2007.

Identificação
  • O ser poeta é um destino
  • Luís Ricardo
  • 1923
Contexto de produção
  • Comunidade - Poetas Populares de Grândola
Contexto territorial
  • Biblioteca Municipal de Grândola (contacto Cristina Bizarro).
Contexto temporal
  • Actualmente sem periodicidade certa. Encontros informais e iniciativas do Município de Grândola.
Manifestações associadas
  • A poesia alentejana de Grândola era dita em festas, feiras, locais de entretenimento e principalmente em tabernas.
Contexto de transmissão
  • Estado de transmissão
    • activa
  • Poetas populares em iniciativas esporádicas do Município de Grândola. Em Grândola, vários poetas populares participam na iniciativa Rota das Tabernas (16ª edição em 2010) realizada em Junho.

    Existem vários Encontros de Poetas Populares, nomeadamente em concelhos do Alentejo e do Algarve.

Equipa responsável
  • José Barbieri
  • José Barbieri
  • Maria de Lurdes Sousa

 

Visite a nova exposição virtual!

PCI Livro

PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL
MEMORIAMEDIA e-Museu - métodos, técnicas e práticas

+ MEMORIAMEDIA