Memoria Imaterial CRL
Instituto de Estudos de Literatura e Tradição - patrimónios, artes e culturas

M E M O R I A M E D I A

e-Museu do Património Cultural Imaterial

Dados de inventário
  • Dizes que choras por mim
  • Poetas Populares de Grândola - Vídeo Poesia Popular.

    “Dizes que choras por mim”- : Poesia sobre alguém insensível e falso nas suas emoções.

    Paulatino Augusto; Ano de nascimento: 1929; Concelho de Grândola.

    Registo 2007.

Transcrição
  • Dizes que choras por mim

     

    «Dizes que choras por mim,

    eu nem posso acreditar.

    Porque quando morreu o teu marido

    eu nunca te vi chorar!

     

    Dizes que me tens um amor profundo

    na’(1) concordo, na verdade.

    Mas és um poço de falsidade

    e talvez o maior do mundo.

    Tanta hora, tanto segundo,

    eu só te ouço falar assim.

    Dum(2) principio inté(3) ao fim

    tens olhar de mentirosa.

    Mas eu nunca te vi lagrimosa(4)

    e dizes que choras por mim.

     

    Nunca me podes convencer.

    Que em ti não faço confiança.

    Eu conheci-te ainda em criança

    dizendo o que na’ me devias dizer.

    Acredita e possas crer

    que nunca mais te vou falar.

    Tu podes por mim passar,

    porque pondo-se uma noite escura,

    mas por na’ seres uma mulher pura

    eu não te posso acreditar!

     

    És falsa no coração

    Só me pensastes(5) foi em mentir.

    Passastes(6) a noite a rir

    e o teu homem no caixão.

    Na’ podes ter perdão!

    O teu amor é fingido.

    Fica o assunto resolvido,

    que a mim nunca me enganaste.

    Nem uma lágrima darramelastes(7)

    quando morreu o teu marido.

     

    Desde a primeira vez

    em que eu por ti fui beijado

    eu fiquei logo atraiçoado

    por ti, duas e três.

    Passou-se pouco mais de um mês

    já não me querias abraçar.

    Só me quiseste foi enrolar

    e meter-me nalgum(8) sarilho.

    Pelo pai do teu filho,

    eu nunca te vi chorar.»

    Paulatino Augusto, Grândola, Fevereiro de 2007

     

    Glossário:

    (1) Na’ – abreviatura oral, de uso informal e coloquial, de “não”.

    (2) Dum – contração da preposição de e do artigo um (de+um).

    (3) Inté – expressão popular que refere-se a “até”; o mesmo que até.

    (4) Lagrimosa – o mesmo que lacrimosa (chorosa, banhada em lágrimas).

    (5) Pensastes – pensaste.

    (6) Passastes – passaste.

    (7) Derramelastes – derramaste (do verbo derramar, no sentido de verter).

    (8) Nalgum – contração da preposição em e do pronome algum (em +algum).

    Para a execução deste glossário foram consultados os seguintes websites: http://ciberduvidas.sapo.pt/pergunta.php?id=27735http://www.priberam.pt; http://www.dicio.com.br/inte/

     

     

     

     

     

     

     

Caracterização
  • Décimas.

    Classificação: Proposta por Paulo Correia (CEAO/ Universidade do Algarve) em Julho de 2007.

Identificação
  • Dizes que choras por mim
  • Paulatino Augusto
  • 1929
Contexto de produção
  • Comunidade - Poetas Populares de Grândola
Contexto territorial
  • Biblioteca Municipal de Grândola (contacto Cristina Bizarro).
Contexto temporal
  • Actualmente sem periodicidade certa. Encontros informais e iniciativas do Município de Grândola.
Manifestações associadas
  • A poesia alentejana de Grândola era dita em festas, feiras, locais de entretenimento e principalmente em tabernas.
Contexto de transmissão
  • Estado de transmissão
    • activa
  • Poetas populares em iniciativas esporádicas do Município de Grândola. Em Grândola, vários poetas populares participam na iniciativa Rota das Tabernas (16ª edição em 2010) realizada em Junho.

    Existem vários Encontros de Poetas Populares, nomeadamente em concelhos do Alentejo e do Algarve.

Equipa responsável
  • José Barbieri
  • José Barbieri
  • Maria de Lurdes Sousa

PCI Livro

PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL
MEMORIAMEDIA e-Museu - métodos, técnicas e práticas

+ MEMORIAMEDIA