Memoria Imaterial CRL
Instituto de Estudos de Literatura e Tradição - patrimónios, artes e culturas

M E M O R I A M E D I A

e-Museu do Património Cultural Imaterial

Dados de inventário
  • Quando t'eu vejo
  • Poetas Populares de Grândola - Vídeo Poesia Popular.

    “Quando t'eu vejo”- Sobre as reacções e sentimentos do poeta ao rever um antigo amor.

    Eusébio Pereira; Ano de nascimento: 1915; Concelho de Grândola.

    Registo 2007.

Transcrição
  • Quando t’eu vejo

     

    «Quando t’ eu vejo, meu bem,

    ao rosto me assobe(1) a cor.

    E antes que era, não posso

    negar, que fui teu amor.

     

    Quando t’eu vejo chegar

    a lugares onde eu estou,

    lembro-me o que se passou,

    eu quero e não posso abalar(2)!

    Começo-me a recordar,

    daqueles tempos de além(3),

    qu’ era eu pra(4) ti alguém

    e hoje penso no resultado.

    E recordo o tempo passado

    quando t’ eu vejo, meu bem!

     

    Começo a relembrar

    que fostes minha e eu fui teu.

    E sabes que me pertenceu

    o direito a esse lugar.

    E hoje só o que posso dar

    são provas do teu valor,

    que és tu aquela flor,

    que eu bastante gosto tinha!

    E lembrar-me que fostes minha,

    ao rosto me assobe a cor.

     

    Antes que queira negar

    que nunca te tive amizade,

    é tão grande a saudade

    que me obriga a confessar.

    E como t’eu oiço falar

    aumenta em mil remorsos!

    Foi tão grande esses esforços,

    hoje vejo tudo perdido!

    Mas tirar de ti o sentido

    antes que era, não posso!

     

    Mesmo que queira fingir

    que nunca te amei, com certeza

    ao ver-te assim de surpresa

    nota-se no me’(5) sorrir!

    Lembra-me bem de te ouvir

    as tuas razões impor.

    E ao lado de outro senhor

    vejo a figura que faz,

    mas eu quero e na’(6) sou capaz

    de negar que fui teu amor.»

     

    Eusébio Pereira, Grândola, Fevereiro de 2007

     

     

    Glossário:

    (1) Assobe– sobe.

    (2) Abalar – ir embora.

    (3) Além – longínquos.

    (4) Pra – o mesmo que “para”(redução da preposição para usadade modo informal e coloquial).

    (5) Me’ abreviatura oral, de uso informal e coloquial, de “meu”.

    (6) Na’ – abreviatura oral de “não” (uso informal e coloquial).

    Para a execução deste glossário consultaram-se os seguintes websites: http://www.priberam.pt; http://www.infopedia.pt

     

     

     

Caracterização
  • Décimas.

    Classificação: Paulo Correia (CEAO/ Universidade do Algarve) em Julho de 2007.

Identificação
  • Quando t'eu vejo
  • Eusébio Pereira
  • 1915
Contexto de produção
  • Comunidade - Poetas Populares de Grândola
Contexto territorial
  • Biblioteca Municipal de Grândola (contacto Cristina Bizarro).
Contexto temporal
  • Actualmente sem periodicidade certa. Encontros informais e iniciativas do Município de Grândola.
Manifestações associadas
  • A poesia alentejana de Grândola era dita em festas, feiras, locais de entretenimento e principalmente em tabernas.
Contexto de transmissão
  • Estado de transmissão
    • activa
  • Poetas populares em iniciativas esporádicas do Município de Grândola. Em Grândola, vários poetas populares participam na iniciativa Rota das Tabernas (16ª edição em 2010) realizada em Junho.

    Existem vários Encontros de Poetas Populares, nomeadamente em concelhos do Alentejo e do Algarve.

Equipa responsável
  • José Barbieri
  • José Barbieri
  • Maria de Lurdes Sousa
Arquivo
  • 3/04:29 - 09:25
  • 1/grandola2011/Grandola 3

DESCARREGAR O LIVRO

PCI Livro

PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL
MEMORIAMEDIA e-Museu - métodos, técnicas e práticas

+ MEMORIAMEDIA