Memoria Imaterial CRL
Instituto de Estudos de Literatura e Tradição - patrimónios, artes e culturas

M E M O R I A M E D I A

e-Museu do Património Cultural Imaterial

Dados de inventário
  • Bolo de Perna
  • O bolo de perna é também conhecido na região oeste como bolo de ferradura, bolo de casamento, bolo de noivos, bolo dos leilões e parrameiro. Estes nomes referem-se ou à forma final do bolo ou a práticas culturais onde era indispensável presença deste tipo de bolo.

     

Caracterização
  • Bolos de Perna

     

    Ingredientes:

    água e sal

    100g de fermento de padeiro

    2 colheres de sopa de fermento royal

    1,5kg de açúcar

    raspa de 5 limões

    150g de manteiga

    150g de margarina

    2kg de farinha

    2 ovos inteiros + 6 gemas (para cobrir os bolos)

     

    Modo de preparação:

     

    Em cerca de meio litro de água tépida temperada com um pouco de sal desfaz-se o fermento de padeiro e junta-se o fermento royal. Acrescenta-se o açúcar e a raspa e limão. Derrete-se a manteiga e a margarina e junta-se ao preparado anterior. Aos poucos e trabalhando com as mãos junta-se a farinha amassando e retificando a quantidade de água caso seja necessário. Terminada a amassadura, deixa-se descansar cerca de 10 minutos para depois começar a tender os bolos.

    Polvilha-se a bancada com farinha e preparam-se os tabuleiros com papel vegetal. Retira-se uma porção de massa e forma-se um rolo grosso que é rolado sobre a bancada até formar um cilindro, aperta-se meio e dobra-se sobrepondo a massa. Os bolos são colocados nos tabuleiros e pincelados com ovo batido.

    Cozem em forno bem quente (cerca de 250º C), durante cerca de 10 minutos.

  • O bolo de perna é também conhecido na região oeste como bolo de ferradura, bolo de casamento, bolo de noivos, bolo dos leilões e parrameiro. Estes nomes referem-se ou à forma final do bolo ou a práticas culturais onde era indispensável a presença deste tipo de bolo - feito com massa maciça mas fofa que se modela como se fosse barro e que é aromatizada com raspa de limão (algumas massas levam erva-doce e/ou canela. Em Sobral de Monte Agraço, por exemplo, apenas os denominados parrameiros levam erva-doce).

    Tradicionalmente este era o bolo que, junto com um prato de arroz doce, as noivas das aldeias (ou amigas da noiva em nome dela) ofereciam a todos os vizinhos, fossem ou não convidados para o casamento. Prática a que se chamava de “visitar” e que se perdeu com os tempos, atualmente só muito raramente é recriada. Este era, ainda, o principal bolo desta cerimónia, que se servia depois da refeição junto com o arroz doce. Daí o nome de bolo de casamento.

    O bolo de perna é ainda conhecido como o bolo tradicional das romarias da região oeste, estando presente na decoração dos Cargos dos Tradicionais Leilões - festas realizadas entre o Dia de Reis e o Carnaval onde se leiloam estes bolos montados em Cargos, estruturas de madeira decoradas com urze e laranjas. Os leilões revertem, usualmente, a favor do santo padroeiro ou da associação recreativa local e realizam-se à noite depois de uma venda pela terra durante o dia.

    Também em Torres Novas um dos ex-libris da doçaria da região é o bolo de cabeça, mais uma variedade deste bolo, mas que é tendido de forma diferente.

Identificação
  • Domínio
    • Competências em processos e técnicas tradicionais
  • Bolos de Perna, Bolos de Ferradura, Bolos de Casamento, Bolos de Noiva, Parrameiros
  • Comunidade local Sobral Monte Agraço, Alenquer e Arruda dos Vinhos
  • Não se aplica
  • Não se aplica
Contexto de produção
  • Comunidade local Sobral Monte Agraço, Alenquer e Arruda dos Vinhos
  • Não se aplica
Contexto territorial
  • Sobral Monte Agraço, Alenquer e Arruda dos Vinhos
Contexto temporal
  • Todo o ano, mais no inverno entre o Natal e o Carnaval.
Manifestações associadas
  • Tradicionais Leilões

    Festa de Casamento

  • Utensílios de cozinha

  • Não se aplica

Contexto de transmissão
  • Estado de transmissão
    • activa
  • Famílias, associações e clubes locais e restaurantes.

Direitos Associados
  • Os direitos coletivos são de tipo consuetudinário.

  • Os direitos coletivos são de tipo consuetudinário.

Acções de Salvaguarda
  • Atualmente, na região Oeste, é possível encontrar várias Associações e Clubes Recreativos que confecionam este prato em almoços de angariação de fundos. Existe neste género de práticas uma dinâmica coletiva que envolve um número elevado de pessoas e permite a passagem do saber entre gerações.

  • Promoção do prato junto das comunidades.

Equipa responsável
  • Filomena Sousa
  • José Barbieri/Saberes da Península
  • Filomena Sousa
  • Filomena Sousa
Arquivo
  • Não se aplica
  • 4/Saberes/Sabores/Bolos de Perna

PCI Livro

PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL
MEMORIAMEDIA e-Museu - métodos, técnicas e práticas

+ MEMORIAMEDIA