Memoria Imaterial CRL
Instituto de Estudos de Literatura e Tradição - patrimónios, artes e culturas

M E M O R I A M E D I A

e-Museu do Património Cultural Imaterial

A mulher preguiçosa

nome:
António Oliveira
ano nascimento:
 
freguesia: Candal
concelho:
S. Pedro do sul                                         
distrito:
Viseu
data de recolha: 2007
 
 

Dados de inventário
  • A mulher preguiçosa
  • S. Pedro do Sul

    "A mulher preguiçosa" - Apesar dos avisos, um homem casa com uma mulher preguiçosa. Constatando que a esposa come e bebe à larga e se recusa a trabalhar, o homem engendra um esquema para a pôr na linha.

    António Oliveira, S. Pedro do Sul. Registo 2007.

Transcrição
  • A mulher preguiçosa

     

    O malandro vive sempre à custa do trabalho dos outros. Sempre! Sempre. O malandro vive sempre do pão dos outros. E então um senhor que detestava isto casou com uma senhora fulana. E disseram para ele:

    - Olha que tu não cases com ela, que ela é uma malandra como uma cadela velha! É mais malandra que uma cadela velha! Não cases com ela!

    - Eu, cá disso! É malandra, o quê? Uma rapariga destas, um pancadão destes? Deus me livre! Tem umas mamas que parece duas leitarias! Tem um pão, uma padaria e um parque dos advertimentos que é de tirar o chapéu! Ah! Eu não quero saber que ela seja malandra! Uma mulher destas não é de despejar, é de a colher!

    E então casou-se. Casou-se… Casou-se […] e tudo muito bem. Bem, e passado uns dias, o homem trouxe-lhe um bocadinho de presunto. Trouxe-lhe uma codinha… Aquilo também, era… Era assim apertado… Só matavam um porco por ano, porque os outros lavradores ao lado matavam seis e sete… E levou-lhe um copinho de vinho. Ela disse:

    - Só me dás este vinho?

    - Se tu quiseres eu tiro-te a caneca cheia…

    - Pois, bota lá a caneca cheia!

    Botou lá a caneca cheia. Acabou de comer e… tau! E diz a ele, diz ele:

    - Bom, o meu pai tem caldo na panela, se tu quiseres eu vou-te lá buscar uma tigela dele.

    - Então vai lá!

    Foi lá. Ela… tau! Diz assim:

    - Anda, agora tens a barriguinha cheia, vamos para o campo trabalhar.

    E ela disse:

    - O quê?! Ai, isso não é comigo!

    - Ai não é contigo?

    Disse:

    - Pois não.

    - Então fica aí.

    Ficou. E dali para diante, ele: chave na adega; chave na salgadeira; chave na maceira e… – e a fome é negra…

    E ela disse:

    - Ah, e tal… Também, fechaste tudo…

    - Tu não queres trabalhar, não te queres humildar! -diz. -És malandra como uma cadela velha! Era o que me diziam! E… E vês até, a saia que tu tens? A saia que tu tens está furada, daqui por mais um mês ou dois, estás… estás a amostrar as vergonhas! Não tens vergonha?

    E disse:

    - Está bem.

    No Domingo seguinte, ele já viu a saia assim… assim meia desusada, e disse:

    - Ó mulher, temos de ir comprar um porco à feira. Temos de ir comprar um porco à feira.

    Diz:

    - Ah, mas… a saia está velha…

    Disse:

    - Ó mulher, levas o meu capote! Deixas ficar a saia, o capote esconde tudo até ao lado, abotoa de lado, e tu levas o meu capote!

    - Ó homem, está bem… Se assim é… O teu capote é novo e serve, ainda pode servir…

    Ela chegou ao centro da feira, diz-lhe o gajo:

    - Larga o capote e aprende a trabalhar, que estão ali os meus amigos e tenho de lhes dar de render visita!

    - O quê, homem?!

    - É verdade!

    Ela tirou o capote, pôs uma mão direita – uma mão à frente e outra atrás – e vai e sai […] e fugiu pelo meio da feira fora, direita à casa. Chegou a casa, estava com duas tacas[1] e lambia, vira, vira, vira, vira, vira, vira, vira… O homem entra, diz:

    - Ó mulher! Olha que isso vai grosso!

    E diz ela para ele:

    - Ai, vai grosso, vai… Grosso ou delgado: é para tapar a pá do rabo!

    E começou a trabalhar!

     

     

     


    [1][1] Agulhas de tricotar

    António Oliveira, 2007, S. Pedro do Sul

     

     

Caracterização
Identificação
  • A mulher preguiçosa
  • António Oliveira
Contexto de produção
Contexto territorial
  • Candal
Contexto temporal
Manifestações associadas
Contexto de transmissão
  • Estado de transmissão
    • activa
  • Histórias e cantigas partilhadas nos tempos de lazer e em festas e romarias. Actividades promovidas pelo Município.

Equipa responsável
  • Filomena Sousa
  • José Barbieri
  • Ana Sofia Paiva
Arquivo
  • 123/02:34 - 06:53
  • 2/Sao Pedro do Sul2012/Estória

DESCARREGAR O LIVRO

PCI Livro

PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL
MEMORIAMEDIA e-Museu - métodos, técnicas e práticas

+ MEMORIAMEDIA