Memoria Imaterial CRL
Instituto de Estudos de Literatura e Tradição - patrimónios, artes e culturas

M E M O R I A M E D I A

e-Museu do Património Cultural Imaterial

A abantesma e a mulher

nome:
Tia Desterra
ano nascimento:
 
freguesia: Póvoa de Varzim
concelho:
Póvoa de Varzim
distrito:
Porto
data de recolha: 2007
 
 

Dados de inventário
  • A abantesma e a mulher
  • Póvoa de Varzim

    "A abantesma e a mulher" - Relato de encontro de uma mulher com uma abantesma (fantasma).

    Ti Desterra, Póvoa de Varzim, Registo 2007

Transcrição
  • A abantesma[1] e a mulher

     

    […] contava-se que aparecia nas casas, que aparecia isto, que aparecia aquilo… Contava-se muitas histórias. Nós morávamos numa ilha… Hoje já não existe esta ilha, ali à beira do Quintes, na Patrão Sérgio. Ali era uma ilha como eu contei: era um coiso de casas… E ali, havia… Contava-se umas histórias, não é?  Contava-se muitas histórias naqueles quintais. Que aparecia isto, que aparecia aquilo… Como contei: que à noite já ninguém ia ao quintal. Os quintais eram todos cheios. Faça de conta que era doze caseiros com doze quintais, que eram separados por carreiros. O senhor sabia que esta horta e esta que era sua, aquela sabia que aquela e aquela horta que era dela, o senhor sabia que aqui é que era para botar a secar a roupa, aqui era a cora do seu, para você botar a roupa a corar (antigamente era tudo corado, não é?)… E contava-se muitas histórias nessa ilha. Histórias…

    Assim, ela contava que aparecia uma abantesma – como já contei, que era como fosse um padre, vestido de padre, com botõezinhos (eles ao menos sabiam tudo, que havia pessoas muito curiosas e havia homens que não tinham medo, que defuntavam e que não tinham medo!) E então que vinha da parte da última casa. Porque isto era assim: eram aqui na rua do Patrão Sérgio, do mesmo senhorio, tinha duas, quatro, seis casas, está a ver? Isto depois fazia assim e ia para dentro da ilha e tinha aqui doze casas. Os quintais daqui vinham até aqui e os quintais daqui iam para ali. Mas era tudo os mesmos quintais. Desta parte das ruas, das casas que vinham da rua, havia um poço; e das casas de cima, havia outro poço no meio dos quintais. Ninguém morreu afogado, que aquilo era tudo só… andava tudo ao Deus-dará.

    E como ia dizer então: aquela mulher, um dia, prontos, veio trabalhar – que ela andava na aldeia, vinha vender peixe por essas aldeias fora. Ela veio de noite e precisou de ir ao quintal. E foi ao quintal. Naquele tempo não havia casas de banho dentro de casa, como o senhor sabe – e, se não sabe, fica a saber, não é? Se não sabe… E a mulher olhou, viu aquela abantesma. Diz ela:

    - Aquela abantesma…

    E eu, que já tinha para aí os meus sete anos… Ela chamava-se Cecília. Mas nós não sabíamos chamar Cecília e chamávamos Cezila.

    - Tia Cezila… E como era a abantesma?

    Ela, a mulherzinha, explicava:

    - Ai… Era muito alto… Quanto mais olhávamos para ela, mais ela crescia!... E vinha vindo, vinha vindo, vinha vindo devagarinho até chegar à nossa beira. Mas eu, assim que vi, eu queria correr! O vento era tanto, que não me deixava correr, mas eu – toca a correr para dentro de casa! Fiquei à porta e ainda estive a espreitar pelo ferrolho. A chave era daquelas chaves muito grandes. Pelo ferrolho… Mas eu tinha medo e então vim para dentro. Acendi o candeeiro, dei registo ao candeeiro… -que ela já tinha candeeiro.

    Eu ainda me lembro de muitas casas ter graxa assim numa concha grande e com coisa de roupa a fazer aqueles pavios. Ainda me lembro disso…

     

     


    [1] Fantasma, espectro.

     

Caracterização
Identificação
  • A abantesma e a mulher
  • Ti Desterra
  • Actividade piscatória - comércio
Contexto de produção
  • Comunidade piscatória
Contexto territorial
  • Póvoa de Varzim, Museu Municipal de Etnografia e História da Póvoa de Varzim.
Contexto temporal
Manifestações associadas
  • Transmitidas aos serões, em quotidianos de trabalho e lazer.
Contexto de transmissão
  • Estado de transmissão
    • activa
  • Actividades promovidas pelo Município da Póvoa de Varzim, Biblioteca Municipal e Museu Municipal de Etnografia e História da Póvoa de Varzim.

    Comunidade piscatória  da Póvoa de Varzim

Equipa responsável
  • José Barbieri
  • José Barbieri
  • Ana Sofia Paiva
Arquivo
  • 73/25:45 - 31:49
  • 1/P. de Varzim2012/P. de Varzim73

PCI Livro

PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL
MEMORIAMEDIA e-Museu - métodos, técnicas e práticas

+ MEMORIAMEDIA