Memoria Imaterial CRL
Instituto de Estudos de Literatura e Tradição - patrimónios, artes e culturas

M E M O R I A M E D I A

e-Museu do Património Cultural Imaterial

Quinta da Curraleira

Ficha Técnica:
Realização e câmara: Tiago Hespanha
Com: Carlos Silva
Som: Adriana Bolito, Frederico Lobo, João Vladimiro, Leonor Noivo e Miguel Coelho
Montagem: Ana Sofia Faria
Agradecimentos: Mauro Baptista, Vítor Reis, José Coelho, Guilherme Silva, Jaime Dias, André, Luís Silva, André Silva, António Coelho, José Roberto, José Silva, Pedro Cruz, Carlitos e o café "O Retiro dos Pombinhos".
Produção: Funda Calouste Gulbenkian e Ateliers Varan

(2006)

"O filme Quinta da Curraleira partiu de um impulso provocado pelo deslumbre com a visão inesperada de um lugar. Um dia andava pelo cemitério do Alto de S. João, em Lisboa, como era domingo e havia muita gente afastei-me da zona mais movimentada e encontrei o sítio onde estão as campas dos combatentes da primeira grande guerra, essa é uma zona limítrofe do cemitério, aproximei-me do muro e aí tive uma visão incrível: um terreno vazio encaixado num vale, entre prédios recém construídos, um aterro feito com os destroços das demolições do antigo bairro da Curraleira e o muro do cemitério, sobre este cenário voava em círculos um enorme bando de pombos. Essa visão deu origem a um dos planos de abertura do filme. Todo o filme foi construído a partir da estranheza daquele lugar e do que ali se passava. O que a critica contemporânea em face daquele lugar tenderia a chamar um "vazio urbano", ou um "espaço residual", revelava-se ali uma realidade bem mais complexa onde se assistia a pequenas erupções de vida depois da tábula rasa feita pelas máquinas. O que se passava diariamente naquele lugar e sobretudo a actividade de criação de pombos correios que ali se praticava foi trabalhado no filme como uma realidade significante em si mesma mas também como metáfora da cidade."

PCI Livro

PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL
MEMORIAMEDIA e-Museu - métodos, técnicas e práticas

+ MEMORIAMEDIA