Memoria Imaterial CRL
Instituto de Estudos de Literatura e Tradição - patrimónios, artes e culturas

M E M O R I A M E D I A

e-Museu do Património Cultural Imaterial

Emigração

nome:
Luísa Amorim
   
freguesia:
Matacães
concelho:
Torres Vedras
distrito: Lisboa
data de recolha: 02/2010
   
 
 
 

Dados de inventário
  • Emigração
  • Torres Vedras

    "Emigração"- Relato de vida sobre o tempo de emigração na Argentina.

    Luísa Amorim, Ano de nascimento 1925, Matacães, Torres Vedras, Registo 2010.

Transcrição
  • Emigração

     

    Olha, a minha vida foi servir, foi andar no campo. Depois casei-me. Depois o meu marido era cantoneiro. Depois deixou o emprego; foi para a Argentina. Depois eu estive cá dois anos. Ao fim de dois anos, fui ter com ele à Argentina e estive lá vinte e dois anos. Estive lá vinte e dois anos. Depois ele adoeceu, veio para Portugal. Ao fim de três anos, faleceu. Mas eu gostava muito da Argentina. O meu marido trabalhava nos fornos de tijolos. Na Argentina – cá era cantoneiro. Na Argentina era dos fornos de tijolos. Mas eu lavava muita roupa, porque havia trabalhadores lá por conta dos sócios, não é? O meu marido era sócio. Eram cinco sócios e o meu marido era sócio. E depois havia rapazes lá casados e que era doutros sítios. Depois não tinham quem lhes lavasse a roupa. Eu lavava a roupa deles e passava a ferro, cosia… E depois eles levavam.

    Um dia, fui lavar a roupa de um e fui à algibeira e tinha muito dinheiro dentro da algibeira. O forno era como aqui o nosso e como ali há a igreja, já havia outro, que era o desse rapaz. Eu fui, antes de pôr a roupa na água, fui a virar os bolsos a ver se tinha alguma coisa lá dentro. E tinha muito dinheiro. Mas o dinheiro lá era em peso; chama-se peso. Peso ou dólares. E eu assim: ai, valha-me Deus, que eu ainda não molhei as calças… Se eu molhasse as calças, molhava tudo. E fui lá ao outro forno, que era ao lado do nosso, e disse a ele (chamava-se Delfim, ele era do norte):

    - Ó Delfim, o que é que você tinha nos bolsos das calças?

    - Não tinha nada, Tia Luísa, não tinha nada.

    - Ai isso é que tinha. Então de quem é este dinheiro que estava no bolso das calças?

    - Ai, Tia Luísa, o que você me salvou!

    Que esse dinheiro não era só dele, esse dinheiro era dos sócios todos!

    Maria da Restauração, Torres Vedras, Registo 2010.

     

     

     

Caracterização
    • Episódio de história de vida
Identificação
  • Emigração
  • Luísa Amorim
  • 1925
Contexto de produção
Contexto territorial
  • Matacães
Contexto temporal
Manifestações associadas
Contexto de transmissão
  • Estado de transmissão
    • activa
  • Encontros em festas e actividades promovidas pelo Município e Junta de Freguesia

Equipa responsável
  • Filomena Sousa
  • José Barbieri
  • Ana Sofia Paiva
  • Documentário - Realização Filomena Sousa
Arquivo
  • 99/24:43 - 28:34
  • 2/Torres Vedras2012/Torres Vedras

DESCARREGAR O LIVRO

PCI Livro

PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL
MEMORIAMEDIA e-Museu - métodos, técnicas e práticas

+ MEMORIAMEDIA