Memoria Imaterial CRL
Instituto de Estudos de Literatura e Tradição - patrimónios, artes e culturas

M E M O R I A M E D I A

e-Museu do Património Cultural Imaterial

Outros textos

Nestes “outros textos”, como já foi anunciado, encontram-se reunidos textos de índole bem diferente. Desde a Profecia para A castro, composta por António Maria Mourinho, passando por textos de cariz para-teatral como as Loas cantadas no Natal, a Bíblia Sagrada em Quadras Simples, até outros textos, também concebidos para serem representados mas não nos tradicionais tablados como os Reis falados ou as Trovas de Carnaval. Para além disso, como já referimos e explicámos, também colocamos nestes “outros textos” as versões digitalizadas do Auto de Rodrigo e Mendo, a Cena policiana e o Auto da Paixão de Nosso

Jesus Cristo.Vejamos os títulos de todos os textos:

T20. A embaixada

T21. Bíblia Sagrada em Quadras Simples

T22. Loas cantadas no Natal T23. Profecia para “A Castro” T24. Reis falados

T25. Trovas de Carnaval

T26. Auto de Rodrigo e Mendo

T27. Cena policiana

T28. Auto da muito dolorosa Paixão de Nosso Jesus Cristo

T29. Colóquio de Adão e Eva

Vejamos também o quadro com o vocabulário destes textos:

  Ocorrências Formas diferentes
Total    
T20 817 392
T21 3.533 1.295
T22 487 278
T23 682 379
T24 3.162 1.016
T25 4.536 1.497

Como se pode constatar, a “massa lexical” (número de ocorrências) de alguns textos (T20, T22 e T23) é bastante pequena, mas é considerável nos restantes. Contudo, para a análise estatística, após a conversão dos dados numéricos em dados algébricos, cujo valor é dado pelo “desvio reduzido”, a extensão dos textos deixa de ter importância uma vez que todos os valores são calculados em relação a um “centro de gravidade”, “o centro de inércia ou de equilíbrio onde a média é reduzida a zero”1. Assim se explica e se compreende que, no cabeçalho deste vocabulário, figurem os “protagonistas” dos textos mais extensos (“Entrudo”, “Quaresma”, “burra” – Trovasde Carnaval; “Herodes” – Reis falados) mas também dos textos mais pequenos (“Inês”; “D. Pedro” – Profecia para A castro). Vejamos agora, na lista seguinte, o início desta lista com o vocabulário preferencial destes textos.

Entrudo  (18,68);  Quaresma  (18,67);  burra  (17,98); Herodes  (16,40);  Inês  (16,00);  forma (15,48); condestável (14,85); carne (14,21); mirandesa (14,18); égua (12,79); mirandês (12,17); foi (11,65); comadre (11,01); era (10,93); Manuel (10,80); português (9,71); Rafael (9,71); judeus (9,38); houve (9,38); burros (9,30); Messias (9,26); Pedro (9,21); João (9,03); D. Pedro (8,99); rosário (8,99); Samuel (8,99); tia (8,99); Zé (8,99); gato (8,99); salvador (8,66); menino (8,35); moreiras (8,21); pastoras (8,21); raposo (8,21); veio (8,19); Jesus (8,17); cair (8,14); animal (7,87); Israel (7,83); burro (7,77); profeta (7,77); teve (7,74); funeral (7,59); Luiz (7,59); dono (7,41); anunciador (7,38); ciganos (7,38); levem (7,38); Belarmino (7,34); carriço (7,34); compadre (7,34); evangelho (7,34); feiras (7,34); Gracinda (7,34); kilos (7,34); Milto (7,34); pregou (7,34); significando (7,34); testamento (7,34); dirá (7,32); morreu (7,31); Belém (7,10); Judá (7,02); história (7,02); da (6,76); manta (6,73); sairá (6,67); real (6,65); do (6,65); então (6,60); findou (6,53); vaia (6,44); burricada (6,44); talhada (6,44); abandonou (6,36); açougue (6,36); Adrião (6,36); assistiu (6,36); canhonas (6,36); Celestino (6,36); daremos-lhe (6,36); desgraças (6,36); disseram (6,36); Feliciano (6,36); fez-se (6,36); hebreus (6,36); Jonas (6,36); marciana (6,36); Nadave (6,36); pêra (6,36); rações (6,36); romarias (6,36); tradicional (6,36); val (6,36); Egipto (6,36); linda (6,29); povo (6,27); anunciar (6,23); vila (6,20); feira (6,20); tinha (6,08); andava (6,07); nasceu (6,00); Tomé (5,77); antigos (5,77); luz (5,72); adorar (5,71); estrela (5,60); doze (5,57); …

À semelhança dos “grupos” anteriores também neste se destacam, tematicamente, os protagonistas – o Entrudo, a Quaresma, a burra, Herodes, Inês, o condestável, a comadre, Manuel, Rafael, … – mas também os vocábulos que nos remetem para a estrutura discursiva de cada texto. Mas essa pesquisa e essa análise necessitaria de um estudo mais minucioso que fizesse agora o percurso inverso, ou seja, do léxico aos textos, sempre guiados pela estatística.

1. Ver André Camlong, Op. cit., p. 44.