Memoria Imaterial CRL
Instituto de Estudos de Literatura e Tradição - patrimónios, artes e culturas

M E M O R I A M E D I A

e-Museu do Património Cultural Imaterial

Textos de cariz religioso

Os textos de cariz religioso constituem a esmagadora maioria do teatro recolhido por António Maria Mourinho1. Certamente que a sua condição de sacerdote terá contribuído para esta tendência nas suas recolhas. Indicam-se de seguida todos os títulos dos diferentes textos, com excepção do Auto da Paixão e do Colóquio de Adão e Eva pelas razões que já foram aduzidas.

T6. A criação do mundo

T7. Verdadeiro Auto de Adão e Eva ou Estado Primitivo da Natureza

T8. Auto de Santa. Bárbara

T9. Auto de São Sebastião

T10. Auto do nascimento do Menino Sagrado T11. A casa de Santa Isabel e os pastores de Lião T12. Colóquio de Inveja, Vulcano, Belisa, … T13. Daniel no lago dos leões

T14. A vida de Santa Imperatriz Porcina

T15. Auto de José do Egipto

T16. O cerco da grande cidade de Deus

T17. Pastores de Judá

T18. Resumo da Sagrada Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo

T19. Auto de Santo Aleixo


No quadro seguinte podemos agora conferir o resumo de todas as ocorrências lexicais bem como a sua distribuição pelos diferentes textos. Nesta matéria, e quanto massa lexical, podemos igualmente destacar dois grupos. O primeiro, de maior extensão, constituído por T6, T10, T14, T15, T1, T18 e o segundo, menor, pelos restantes textos.

  Ocorrências Formas diferentes
Total 120.181 19.639
T6 16.787 3.417
T7 3.976 1.236
T8 5.110 1.531
T9 6.235 1.801
T10 11.003 2.519
T11 3.155 822
T12 2.543 857
T13 3.111 1.038
T14 13.675 2.525
T15 15.682 3.488
T16 15.892 3.431
T17 937 405
T18 14.835 3.185
T19 7.240 1.662

 

Vejamos agora, tal como o fizemos para os “textos de cariz profano”, algumas indicações e tendências temáticas reveladas pelo início da lista do vocabulário preferencial, que se apresenta de seguida:

 

José (12,259); Rodrigo (10,148); rei (9,474); que (8,654); irmão (8,432); bispo (7,407); infanta (7,400); Deus (7,397); vós (7,357); Faraó (6,776); vos (6,568); santa (6,535); Lucas (6,390); Silvestre (6,279); Aleixo (6,189); Adão (6,012); Jacob (6,012); Albano (5,808); pagem(5,757); Vulcano (5,705); oh (5,705); Daniel (5,534); Sebastião (5,480); Cristo (5,402); pastores (5,401); Beliza  (5,385);  Gracioso  (5,372);  Bárbara  (5,330);  Fernando  (5,324);  pae  (5,260);  vossos (5,170);  justo  (5,147);  Narciso  (5,147);  este  (5,133);  Porcina  (4,986);  em  (4,971);  alegria (4,900); imperatriz (4,891); Cleufaz (4,804); Rubem (4,804); Anaz (4,742); Natão (4,742); esta (4,670); deuses (4,616); Benjamim (4,551); Dióscoro (4,551); Isabel (4,542); Maria (4,507); Luduvico  (4,486);  alcaide  (4,352);  tão  (4,350);  conde  (4,339);  tu  (4,334);  Caifaz  (4,283); Lúcifer (4,283); Sofia (4,283); Centúrio (4,214); Eufemiano (4,214); romeiro (4,214); Sabina (4,214); Eva (4,212); Nicodemos (4,201); alma (4,152); Egito (4,143); sae (4,143); sonho (4,142); sol (4,085); soberba (4,071); mi (4,059); estado (4,056); mundo (3,999); elle (3,997); amante (3,986); só (3,983); mar (3,927); Asenete (3,923); Silvino (3,923); virtude (3,912); clemência (3,912);  penas  (3,907);  teus  (3,853);  cantam  (3,852);  copeiro  (3,847); Lodónio (3,847); pontífices (3,847); roque (3,847); cantando (3,837); pão (3,835); inveja (3,826); porém (3,821); cidade (3,819); deste (3,795); voz (3,782); Cromácio (3,769); esmola (3,769); pousada (3,769); Semeão (3,769); divina (3,754); ai (3,728); Abel (3,699); sepulcro (3,689); Simão (3,689); céus  (3,650); pecado (3,642); ah (3,633); agar  (3,608); ajoelham (3,608); decreto (3,608); Dina (3,608); singular (3,608); esposa (3,596); donde (3,581); sendo (3,572); cego (3,557);  redentor  (3,543);  Guilan  (3,525);  molher  (3,525);  Sicília  (3,525);  prazer  (3,496); piedade (3,467); dita (3,458); serpente (3,458); quereis (3,449); Marciano (3,440); vae (3,440); acabando (3,433); chamas (3,433); senhora (3,409); glória (3,383); altíssimo (3,353); cantão (3,353); carcereiro (3,353); felicidade (3,353); flores (3,353); vosso (3,349); defuntos (3,346); divino (3,346); Lusbel (3,316); viva (3,316); irmãos (3,314); graça (3,310); Cerdenha (3,264); cortina (3,264);  ditosa (3,264);  intento  (3,264); obrar (3,264);  S. Pedro (3,264); consorte (3,258); vestido (3,258); tocam (3,258); tristes (3,254); Caim (3,254); gado (3,236); …

Tal como no grupo anterior são as personagens e protagonistas que ocupam os lugares preferenciais no início deste léxico: José, Rodrigo, bispo, infanta, Deus, Faraó, Lucas, Silvestre, Aleixo, Adão, Jacob, Albano, Vulcano, Daniel, Sebastião, Cristo, Beliza, Gracioso, Bárbara, Fernando, Narciso, Porcina, imperatriz, Cleufaz, Rubem …

Logo de seguida, também com um peso estatístico elevado, encontramos a forma “que”. Independentemente do valor gramatical ou semântico-pragmático que só um estudo mais minucioso poderia revelar, esta partícula assume um valor especial de união e de aproximação. Neste sentido, parece-nos que ela é particularmente denunciadora dos dois mundos, o imanente e o transcendente, que desfilam, lado a lado, nestes textos. Deus e Faraó, Cristo e os pastores convivendo com o Gracioso, os céus e a terra unidos numa cosmovisão onde as fronteiras entre o real o imaginário se esbatem ou são mesmo inexistentes.

As partículas “vós” e “vos”, forma tónica e átona do pronome pessoal, que encontramos, bem destacadas, no cabeçalho deste vocabulário, indiciam o tom majestoso e grandiloquente que perpassa por estes autos.

Mas os dois mundos, de que falávamos, estão igualmente presentes no início deste vocabulário através de um conjunto de formas, tematicamente reveladoras da dicotomia existente e estruturante na arquitectura discursiva destes autos: Deus / Lusbel; serpente, pecado / graça; inveja / virtude; penas, tristes / alegria, felicidade; céus / mundo; soberba/ piedade, …

Os lugares, distantes, míticos ou mitificados, amplificam a capacidade de abertura e de evasão para outra realidade onde a liberdade e sobretudo a justiça reinam  como objectivo último do homem: Egito, cidade, Sicília, Cerdenha …

 

1. Refira-se que esta parece não ser a tendência do TPM porquanto no "inventário dos cascos" proposto por Valdemar Gonçalves constam apenas 15 "textos religiosos" e 26 "textos profanos". Na recolha e edição do GEFAC podemos igualmente encontrar 22 "textos de cariz profano" e apenas 13 de "cariz religioso".