Memoria Imaterial CRL
Instituto de Estudos de Literatura e Tradição - patrimónios, artes e culturas

M E M O R I A M E D I A

e-Museu do Património Cultural Imaterial

O noivado do sepulcro

nome:
Adélia Augusta Pires Garcia
ano nascimento:
1933
freguesia: Caçarelhos
concelho:
Vimioso
distrito:
Bragança
data de recolha: Outubro 2010
 
 
 

Dados de inventário
  • O Noivado do Sepulcro
  • Vimioso

    "O Noivado do Sepulcro" -  Sobre um amor eterno, uma paixão, que se mantém para além da morte – na mesma sepultura são encontrados dois esqueletos.

     

     

    Adélia Augusta, 1933. Caçarelhos.

    Registo 2010.

Transcrição
  • Noivado do Sepulcro

     

    «Vai alta a lua na mansão da morte.
    Já meia-noite com vagar soou.
    Que a paz tranquila, nos vaivéns da sorte,
    só tem descanso quem ali baixou.

    [Bis:]

    Que a paz tranquila, nos vaivéns da sorte,
    só tem descanso quem ali baixou.

    Que a paz tranquila!... Mas a  longe, a longe,
    funéra(1) campa com fervor rangeu.
    Branca fantasma semelhou num monge,
    dentro do sepulcro a cabeça ergueu.

    Ergueu-se, ergueu-se! N’ emplidão(2) celeste
    campia(3) a lua com sinistra a luz.
    O vento geme no fera(4)(?) cipreste
    e o mocho pia no mármore da cruz.

    Ergueu-se, ergueu-se! Com sombrio espanto,
    olhou em roda, não achou ninguém...
    Por entre as campas, arrastando o manto,
    com lentos passos caminhou além.

    Chegando perto duma cruz alçada,
    por em cipreste revejava ao fim,
    parou, sentou-se, com voz magoada,
    cos(5) ecos tristes acordou assim:

    ? Mulher formosa, que adorei na vida,
    e que na tumba não cessei de amar,
    pra que m’ atraiçoas, desleal, mentida
    (6),
    o amor eterno que te vi jurar?


    Amor, engano que na campa finda,
    que o mundo despe de ilusão fatal.
    E que os vivos se lembram ainda
    do pobre morto que na terra jaz?


    Abandonada, neste chão repouso,
    há já três dias e não vens aqui...

    Ai, quão pesada me tem sido a lousa(7)
    sobre este peito que abateu por ti
    !

    Ai, quão pesada me tem sido! E meio,
    a frente injusta lhe pendeu na mão,
    grandes soluços lhe arrancou do seio,
    dando suspiros de cruel paixão.

    Talvez que nunca, dos protestos nossos,
    gozes com outro, em prisão, prazer.
    Mas o olvido cobrirá meus ossos
    na terra fria sem vingança ter!

    Depois, mais tarde, quando foi volvida
    da sepultura o gelado pó,
    dois esqueletos, um ao outro unidos,
    foram achados num sepulcro só.

     

    [Bis:]

    Dois esqueletos, um ao outro unidos,
    foram achados num sepulcro só.»

     

    Adélia Augusta Pires Garcia, Caçarelhos (Vimioso),Outubro de 2010

     

    Glossário:

     

    (1) Funéra – funérea, fúnebre.

    (2) N’ emplidão – na amplidão (por hipótese).

    (3) Campia – campeia, sobressai.

    (4) Fera – feral (por hipótese), funéreo, fúnebre; lúgubre.

    (5) Cos – ‘com os’ (contração da conjunção arcaica ca com o artigo ou pronome os ? ca+os ?; uso oral, coloquial).

    (6) Mentida – falsa, ilusória, vã.

    (7) Lousa – placa de pedra que cobre a sepultura, lápide funerária.

    Referências bibliográficas e recursos online utilizados no glossário: http://aulete.uol.com.br; http://www.ciberduvidas.com; http://www.dicio.com.br; http://www.infopedia.pt; http://www.priberam.pt

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

Caracterização
    • Cancioneiro
    • Poema de Soares de Passos
Identificação
  • O Noivado do Sepulcro
  • Adélia Augusta
  • 1933
  • Trabalhadora agrícola reformada
Contexto de produção
Contexto territorial
  • Caçarelhos, Vimioso, casa de Francisco Augusto
Contexto temporal
  • Hoje sem periodicidade certa. Encontros informais e iniciativas do Município de Vimioso
Manifestações associadas
  • Transmitidas aos serões, em quotidianos de trabalho e lazer.
Contexto de transmissão
  • Estado de transmissão
    • activa
  • Residentes do concelho de Vimioso que são convidados para iniciativas do Município e Biblioteca de Vimioso. Principais actividades desenvolvidas que estas manifestações culturais:

    Sons e Ruralidades em Vimioso

    ANAMNESIS - Encontro de Cinema, som e tradição oral.

    Feira de artes, ofício e sabores

    (ver links em documentação)

Equipa responsável
  • José Barbieri e Filomena Sousa
  • José Barbieri
  • Maria de Lurdes Sousa
  • José Barbieri - realização do documentário (ver link em documentação)
Arquivo
  • 37/16:49 - 20:15
  • 1/Vimioso2012/Vimioso6

PCI Livro

PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL
MEMORIAMEDIA e-Museu - métodos, técnicas e práticas

+ MEMORIAMEDIA