Memoria Imaterial CRL
Instituto de Estudos de Literatura e Tradição - patrimónios, artes e culturas

M E M O R I A M E D I A

e-Museu do Património Cultural Imaterial

A bruxa e o peixe

nome:
Tia Desterra
ano nascimento:
 
freguesia: Póvoa de Varzim
concelho:
Póvoa de Varzim
distrito:
Porto
data de recolha: 2007
 
 

Dados de inventário
  • A bruxa e o peixe
  • Póvoa de Varzim

    "A bruxa e o peixe" - Relato de um homem cuja esposa é bruxa e de como procedeu para lhe quebrar a maldição

    Ti Desterra, Póvoa de Varzim, Registo 2007

Transcrição
  • A bruxa e o peixe

     

    Conta uma senhora que já morreu… Era a Tia Manas. E era muito velhinha… E ela, coitada, tinha um genro no meu barco. Um barco ainda de boca aberta. E aquela mulherzinha morava aqui à beira da Senhora da Lapa, mas vinha à praia… bem, com a coisa de eu lhe dar um peixinho para a ceia dela; ela e o genro. E para eu lhe dar um peixinho; e eu dava sempre um peixinho à senhora, prontos… e ela contava. Bem, a gente não tinha rádios nos barcos. A gente ia cedo para a praia, assentava-se na areia à proa dos outros barcos. Quem sabia trabalhar, levava uma meia para fazer, ou uma camisola ou uma coisa qualquer; quem não sabia, punha-se a contar histórias. E então a velhota contou esta. A respeito de a gente dar… Que ela dizia assim:

    - Tu, minha menina, Nosso Senhor te ajude… Tu dás sempre tanto peixinho… Mas olha, minha menina, dá, que o Senhor ajuda-te. E olha que, a certas pessoas, não digas que não! Dá, nem que seja pouco. Eu vou-te contar aqui uma coisa, nossa menina, passada por mim! -ela assim.

    Mas já uma senhora com 90 anos naquele tempo! Isto já vai há quarenta anos, portanto já hoje tinha 130 anos!

    - O meu homem andava no mar numa catraia… -catraia era da pesca do alto; não era lancha, era catraia. - Uma vez chegou o barco, nossa Desterra… uma formosura de capatões, gorazes, chernes… Nós, todos contentes, faz uma pequena ideia…

    - Pois, está claro…

    Chegou aquela mulher à beira do barco e disse assim para o Mestre:

    - Eu quero aquele capatão para a minha ceia.

    E ele:

    - Mas tu queres quê?! Eu que sou o mestre e dono do barco, não como capatão, e vais comer tu? Vai-te mas é a andar! Ainda se quisesses uma cascarra! Ou um cação!

    - Não me dás? Ainda hás de me mandar a casa. -[palma]… por a areia acima.

    A mulher do Mestre, quando se apercebeu, e essa Tia Manas, disse:

    - Ai, João… O que fostes fazer, João… Desses-lhe o capatão, João! Olha que ouve-se dizer cá que ela é bruxa…

    - Quero lá saber! Olha, se ela é bruxa, a minha mãe é feiticeira!

    O homem, com aquela coisa… Venderam o peixito. Era logo o dinheiro repartido na hora. Vendia-se o peixe, recebia-se o dinheirinho […] e todas ali assentadinhas: tanto para a isca, tantos homens, tantas partes – era o dinheiro ali logo todo repartidinho, cada qual levava o seu dinheirinho para casa.

    O barco, ao outro dia, foi para o mar. Nem um peixe dentro do barco. Já andavam assim já três ou quatro ou cinco dias, sem o barco tomar um peixe! O Mestre, desesperado. A Tia Manas:

    - E eu, nossa Desterra, cheia de fome! Porque quem vai buscar uma cesta fiada à loja, outra cesta eles não dão!

    - Mas vem à loja…

    - Ah, não tomou mas, quando tomar, venho pagar…

    Como pagava, ainda lhe fiou duas ou três cestinhas. Aquela mulher do pescador que fazia? Ia buscar a cesta, o coiso para levar na cesta, que era o farnel para lhes levar, e ela trazia alguma coisinha a mais, que era para eles comerem em casa. Está a compreender?

    A Tia Maria Manas viu que o barco, três, quatro dias, não apanhou nem sequer um peixe, e os outros barcos cheios de peixe, disse para a Mestra do barco:

    - Tu achas que isto está bem assim? Eu acho que isto que não está bem. Não está bem. Esta mulher… Não te disse que a mulher que era bruxa? Eu disse-te, tu não quiseste acreditar!

    - Ó Tia Maria Manas, e agora como vamos fazer?...

    - Como vamos fazer? Olha, temos ir rogar, a ver o que é que se passa.

    - Fui eu com a Mestra… -ela a contar. - Fui eu com a Mestra, cachopa… -que ela falava assim. - Fui eu com a Mestra, nossa cachopa… A uma mulherzinha, que estava ali à beira de Nosso Senhor dos Milagres, chamava-se Ana. Ti Ana!

    - Que quereis?

    - Ó Ti Ana, valha-nos nesta nossa aflição, Ti Ana! Passou-se… O barco anda, anda, anda, para o mar e para a terra, nem sequer um peixe traz! Estamos cheiinhos de fome… Eu tenho onze meninos, todos pequeninos… Quero fazer uma panela de corda, não tenho uma panela ao lume…

    A mulher disse:

    - Olha, cachopa, ide à casa dela e pedi-lhe que deixe o barco pescar. Porque é que o teu homem não lhe deu o capatão?

    - Ai, sabes como são homens… Eu, se estivesse à beira, eu dava-lhe…-por este ponto, por aquele…

    - Só tens uma coisa a fazer: ide-lhe pedir a ela para deixar o barco pescar, porque senão nada feito.

    Diz a Mestra:

    - Eu não vou, antes quero morrer.

    Diz:

    - Tu queres morrer?! Se nós não formos, morro de fome eu com os meus filhos! Temos que ir.

    Diz:

    - Tia Maria Manas, vá você. Vá, por as almas, que eu não quero ir…

    - Ai, tens que vir comigo, tu é que és a Mestra do barco. És a Mestra, tens de ir comigo.

    A mulher, com penas ou com glórias, lá foi. Chegou lá, diz ela:

    - Que quereis aqui?

    - Ó fulana… Eu venho tão cheia de fome… Deixa-me o barco pescar, pelas almas…

    - O teu homem… O teu homem é este, o teu homem é aquele

    - Ó fulana… Não te aflijas, minha amiga. Enche-me o barco de pescar, que todos os dias que ele vier do mar eu mando-te aqui um peixe.

    - Eu disse isso ao teu homem, mas ele não queria acreditar! Eu disse-lhe! Olha, não tenho nem um peixe nas cavernas! -era as cavernas do barco.

    Diz ela, diz a Tia Maria Manas, de joelhos:

    - Ó minha menina, por as almas do Purgatório, estou cheiinha de fome! Eu não tenho nada para botar corda ao lume, deixa o barco pescar…

    -Vá-se embora. Tia Manas. Vá-se embora. Eles por daqui a nada começam a pescar. Vá-se embora.

    A mulher veio-se embora:

    - Ai, Deus queira que sim… Ai, Nossa Senhora…

    Chega o barco à terra… Ao outro dia, que eles iam hoje e só vinham amanhã, passavam a noite no mar. O barco trouxe um ror de peixe. A mulher chegou à beira do homem, disse:

    - Ó desgraçado! O capatão maior que tens aqui, dá aqui à Tia Maria Manas para levar à fulana, desgraçado! Nós podíamos estar tão bem e estamos desgraçados por tua causa! Sabes que aquela mulher que é bruxa, desgraçado? Foi passado isto… -começou a contar.

    E o homem disse:

    - Sim senhora. A partir dessa hora, foi que… -eles sabiam as horas pelo sol, os pescadores sabiam -…começámos a pescar.

    - Então, desgraçado, tu sempre que vás para o mar, de vez em quando manda-lhe um peixe, ou nunca mais pescas.

    Diz a Tia Maria Manas:

    - Minha menina, fui eu que fui levar o capatão. Cheguei lá… Fulana!

    - Que quer?

    - Anda aqui, minha menina. Olha, tenho este capatão, foi o maior capatão que apanhou.

    - Então, tomaram alguma coisinha?

    - Diz que tomaram. E tu, minha menina, não faças mal ao barco, minha menina. Que eu te juro: sempre que o barco vá para o mar, logo que eu possa, eu trago-te aqui.

    Diz ela:

    - Não, para esta semana não traga. Depois para a semana ou daqui a algum tempo, se me quiseres trazer um peixinho, traz-me, que eu não faço mais mal ao barco.

    Diz ela:

    - A desgraçada parece que ia em vento na proa do barco para o barco não pescar!

    Histórias que se contam. Era as histórias que se contavam.

     

     

Caracterização
Identificação
  • A bruxa e o peixe
  • Ti Desterra
  • Actividade piscatória - comércio
Contexto de produção
  • Comunidade piscatória
Contexto territorial
  • Póvoa de Varzim, Museu Municipal de Etnografia e História da Póvoa de Varzim.
Contexto temporal
Manifestações associadas
  • Transmitidas aos serões, em quotidianos de trabalho e lazer.
Contexto de transmissão
  • Estado de transmissão
    • activa
  • Actividades promovidas pelo Município da Póvoa de Varzim, Biblioteca Municipal e Museu Municipal de Etnografia e História da Póvoa de Varzim.

    Comunidade piscatória  da Póvoa de Varzim

Equipa responsável
  • José Barbieri
  • José Barbieri
  • Ana Sofia Paiva


 

Visite a nova exposição virtual!

PCI Livro

PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL
MEMORIAMEDIA e-Museu - métodos, técnicas e práticas

+ MEMORIAMEDIA